Notícias> Centro de imprensa

HbA1c: O marcador central da gestão da diabetes mellitus

Mindray 2021-05-25

O diabetes mellitus (DM) é um desafio global para a saúde. A Federação Internacional de Diabetes (IDF) reporta que um em cada 11 adultos (20-79 anos) tem DM em 2019, e essa proporção está aumentando à medida que a sociedade muda e a população envelhece.[1] As complicações do DM incluem uma série de problemas, como nefropatia, retinopatia e doença arterial coronariana.

Número previsto de pessoas (20-79 anos) com diabetes em todo o mundo[1]

O diagnóstico, o tratamento adequado e o monitoramento do controle glicêmico são essenciais para o controle do DM. Como resultado, muitos testes de laboratório foram lançados nos consultórios, como hemoglobina glicada (HbA1c), proteína glicada (frutosamina, FUN), glicose plasmática de jejum e glicose plasmática de 2 horas. Entre eles, o HbA1c é amplamente reconhecido como um teste básico para o controle do DM.

Diagnóstico do DM

De acordo com a IDF, existem aproximadamente 232 milhões de pessoas com DM não diagnosticado em todo o mundo. Muitas diretrizes tendem a sugerir o rastreamento do DM na população com ou sem condições médicas específicas, e o HbA1c é um teste conveniente para atender a esse objetivo.[2]Ao contrário dos testes de glicose, o HbA1c não é afetado pela ingestão recente de alimentos, de modo que os pacientes não precisam jejuar nem ingerir certas quantidades de glicose antes do teste. Em posse do histórico médico e de algumas evidências auxiliares, os médicos podem fazer o diagnóstico de DM se o HbA1c do paciente corresponder aos critérios.

Critérios da American Diabetes Association (ADA)[3]

Monitoramento terapêutico

Uma vez diagnosticados, os pacientes podem receber tratamento, como mudanças no estilo de vida, medicamentos e/ou insulina. Independentemente do método de tratamento, o monitoramento é crucial para a gestão integral dessa doença. Como o HbA1c pode revelar a glicemia média ao longo de um período de aproximadamente 3 meses, muitas diretrizes publicaram metas de HbA1c para monitoramento do controle glicêmico. Esses alvos podem ser usados para orientar melhoras terapêuticas.

Metas glicêmicas recomendadas pela AACE para adultos não gestantes[4]

Individualizar com base na idade, comorbidades e duração da doença

≤6,5% para a maioria

Mais perto do normal para adultos saudáveis

Menos rigoroso para adultos “menos saudáveis”

AACE, American Association of Clinical Endocrinologists

Metas glicêmicas recomendadas pela AACE para adultos não gestantes[5]

<6,5% para pacientes que atendem aos seguintes critérios:

- Curta duração do diabetes
- Longa expectativa de vida
- Nenhuma doença concomitante
- A meta pode ser alcançada sem hipoglicemia significativa ou outros efeitos adversos do tratamento

<7,0%, uma meta razoável para muitos pacientes

<8,0% para pacientes que atendem aos seguintes critérios:

- Histórico de hipoglicemia grave
- Expectativa de vida limitada
- Complicações microvasculares ou macrovasculares avançadas
- Comorbidades extensas
- T2DM de longa duração em que a meta de HbA1C tem sido difícil de alcançar, apesar dos esforços intensos

O HbA1c é um marcador ideal para avaliação do controle glicêmico. Cada pequena redução na HbA1c pode diminuir significativamente os riscos de morbidade e mortalidade relacionadas ao DM. As frequências de teste são a cada 6 meses para pacientes bem controlados e a cada 3 meses para pacientes mal controlados, ou pacientes que estão fazendo alterações em seu regime terapêutico.[6]

Complicações comuns do DM e o significado das reduções de HbA1c[7, 8]

Resumo

Desde que o HbA1c foi separado pela primeira vez em 1958, uma série de estudos demonstrou que ele é altamente valioso no diagnóstico e monitoramento do DM. Como marcador essencial recomendado por várias diretrizes, os testes de HbA1c são muito mais fáceis de serem concluídos pelos pacientes, muito mais rápidos para os técnicos de laboratório analisarem e muito mais confiáveis para os médicos usarem na hora de tomarem decisões clínicas.

Referências

[1] IDF DIABETES ATLAS 2019. https://www.diabetesatlas.org/en/
[2] Pippitt, K. & Li, M. Diabetes Mellitus: Screening and Diagnosis. Diabetes Mellitus 93, 7 (2016).
[3] American Diabetes Association. Classification and Diagnosis of Diabetes: Standards of Medical Care in Diabetes—2020. Diabetes Care 43, S14 (2020).
[4] Garber AJ, Abrahamson MJ, Barzilay JI, et al. Consensus statement by the American Association of Clinical Endocrinologists and American College of Endocrinology on the comprehensive type 2 diabetes management algorithm—2017 executive summary. Endocr Pract 2017; 23(1): 207-38.
[5] American Diabetes Association. Glycemic Targets: Standards of Medical Care in Diabetes—2020. Dia Care 43, S66–S76 (2020).
[6] HbA1c Testing Frequency: A Review of the Clinical Evidence and Guidelines [Internet]. Ottawa (ON): Canadian Agency for Drugs and Technologies in Health; 2014 Sep 26.
[7] United Kingdom Prospective Diabetes Study Group: Intensive blood-glucose control with sulphonylureas or insulin compared with conventional treatment and risk of complications in patients with type 2 diabetes (UKPDS 33). Lancet 352: 837–853, 1998
[8] Stratton IM, et al. Association of glycaemia with macrovascular and microvascular complications of type 2 diabetes (UKPDS 35): prospective observational study. BMJ 321:405–412, 2000